Abicalçados divulga balanço que sinaliza retomada das exportações

Couromoda Coletiva

A coletiva de imprensa da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), realizada ontem, segunda-feira, 11, na Couromoda, em São Paulo, teve um tema em destaque: a retomada das exportações. O presidente executivo da entidade, Heitor Klein, e o presidente da Couromoda, Francisco Santos, abriram a coletiva e deram as boas-vindas aos jornalistas nacionais e estrangeiros.

Conforme dados elaborados pela Abicalçados, em dezembro de 2015, o embarque de 17,6 milhões de pares gerou US$ 119,57 milhões, resultado 60% superior ao registrado em novembro (US$ 74,68 milhões) e 0,3% melhor do que o registro do mesmo mês de 2014 (US$ 119,24 milhões). Com isso, o ano de 2015 fechou com o embarque de 124 milhões de pares por US$ 960,4 milhões, queda de 4,2% em volume e 10% em receita na relação de 2014. Apesar da redução dos embarques no acumulado do ano, a tendência, segundo Klein, é de uma retomada do envio de calçados ao exterior em virtude, principalmente, da diminuição da cotação do real em relação ao dólar, o que torna os produtos brasileiros mais competitivos em termos de preços.

“O dólar valorizado teve reflexos no final do ano, quando chegaram os pares negociados no segundo semestre. É arriscado apostar em números, mas podemos imaginar que seja o início de uma recuperação gradual rumo aos US$ 2 bilhões, performance viável para o setor”, afirmou, referindo-se ao valor obtido com embarque internacionais em 2007 e 2008. O dirigente da Abicalçados ressaltou que esta retomada é possível, também, pelo fato de o Brasil ter sempre se mantido atuante no mercado internacional. “Seguimos exportando para mais de 150 países, com uma imagem consolidada nos principais mercados do mundo”, complementa.

Importação em queda:

A nova cotação do dólar também teve outra consequência para o setor: a queda significativa das importações de calçados. Segundo dados da Abicalçados, no ano passado entraram no Brasil 33,26 milhões de pares ao custo de US$ 481 milhões, o que representa uma queda de 9,6% no volume e de 14,3% em termos de valores. “Talvez tenha sido esta a notícia mais positiva do ano”, ressalta Klein.

Ao ser questionado pela reportagem do portal Couromoda sobre a possibilidade de esta fatia do mercado interno ser preenchida pelos fabricantes brasileiros, Klein se mostrou confiante nesta possibilidade. “Um nicho muito pequeno, principalmente de tênis de alta teconologia, deve continuar sendo exclusividade dos importados, mas o restante do espaço deixado pelos produtos estrangeiros pode sim ser ocupado pela indústria nacional”, avaliou.

Ainda sobre o tema importação, Klein revelou que o Governo Federal deve dar uma resposta no início de março sobre a extensão da tarifa antidumping sobre o calçado chinês, cuja data final inicial venceu em junho do ano passado e foi prorrogada automaticamente até junho deste ano. “Acreditamos na manutenção da medida pois ficou claro que a prática de dupimpg, que se baseia em duas premissas: preços abaixo do custo e prejuízo flagrante à indústria local”, concluiu.

 
Fonte: Couromoda.com

Sobre o autor

Posts Relacionados

Deixe um comentário

*