Cavalhadas encenam batalhas medievais para oito mil pessoas

As Cavalhadas 2018 promoveram um fim de semana de lazer para o público que prestigiou mais um espetáculo com cavalos em Franca. A história que narra a luta entre mouros e cristãos foi animada por muita música, galopes e aplausos no gramado central do Parque “Fernando Costa”.

Esta foi a 187ª edição do folguedo de origem europeia na cidade. Após a abertura, com a Cerimônia dos Encamisados na noite de sábado, o domingo teve a segunda parte das apresentações. O elenco, formado por 26 corredores mais a princesa Floripes, todos a cavalo, encenaram o conflito entre muçulmanos e cristãos. Os primeiros são comandados pelo Sultão de Constantinopla, a tropa vestida de vermelho, e os cristãos, por Carlos Magno, com trajes azuis.

Segundo estimativa dos organizadores, oito mil pessoas prestigiaram os dois dias de evento. As duas alas de arquibancadas, bancos e a mureta que cerca o gramado do parque ficaram tomados pelo público, formado por muitas famílias, jovens e idosos.

O prefeito Gilson de Souza acompanhou parte das Cavalhadas 2018 e agradeceu o empenho dos organizadores para a continuidade do evento na cidade. “É um orgulho conseguir manter essa tradição em Franca. É uma alegria ver a população aqui para assistir a essa apresentação”.

O empresário Danilo Vecchi pôde reviver a tradição. Quando criança, seu pai o levava para ver as Cavalhadas e, neste ano, ele quem levou a filha. “Os papéis se inverteram e hoje eu que trago minha família para ver esse teatro. Morei um tempo fora de Franca e não sabia que a festa continuava. Foi muito gratificante”.

Já a lavradora aposentada Maria da Luz Costa, de 88 anos, conheceu as Cavalhadas no domingo. “Nunca tinha vindo. Eu gostei muito, principalmente da corrida dos cavalos enfileirados”.

Entre os momentos mais aplaudidos estão a encenação da morte do espia mouro, o Ferrabrás. Ele é flagrado no território inimigo e morto ao lutar com o cristão Oliveiros. O roubo da princesa Floripes pelos mouros e a explosão do castelo mouro também proporcionaram muita adrenalina e emoção aos corredores e plateia. No fim da batalha, a princesa convence seu pai a se converter ao Cristianismo, como ela, e coloca fim à guerra.  “Foi mais uma apresentação maravilhosa. Minha sensação é de dever cumprido. Estou muito feliz”, comemorou a jovem Clara Nascimento Leite, a princesa das Cavalhadas 2018.

O Clube das Cavalhadas da Franca, responsável pelo realização do evento, prestou homenagens póstumas a dois colaboradores de muitos anos. Walter Anawate e o senhor Teixeira, que desde a década de 1920 até 2017 foi responsável por organizar os fogos de artifício para a explosão do castelo mouro. Os familiares se emocionaram ao receber as placas das mãos do prefeito Gilson de Souza e Marcus Vinícius Falleiros, presidente das Cavalhadas.

Pela primeira vez, o espetáculo contou com tradução simultânea em Libras. Dois telões foram posicionados em pontos estratégicos para apresentar o teatro aos deficientes auditivos. “A apresentação foi brilhante. Eu me emocionei durante muitos momentos das carreiras. E as Cavalhadas, para mim, significam isso: amizade, união, companheirismo, somos uma família. As Cavalhadas 2018 terminam hoje e amanhã já começam as Cavalhadas 2019”, afirmou Marcus Vinícius.

As Cavalhadas da Franca são realizadas pelo Clube das Cavalhadas e Ministério da Cultura, via lei de incentivo fiscal, com patrocínio da empresa Magazine Luiza. O evento conta com o apoio da Faesp-Senar, Prefeitura Municipal de Franca, Sindicato Rural de Franca e Sociedade Rural Brasileira.

O folguedo chegou a Franca em 1831 e faz parte do calendário oficial do município, sendo realizado sempre no primeiro fim de semana de agosto, com entrada gratuita.

 

Foto: Marcos Limonti

Sobre o autor

Posts Relacionados

Deixe um comentário

*