Uso da tecnologia e intuição nos negócios são discutidos no 8º Fórum CME

Palestras, painéis e cases de sucesso foram apresentados no evento que, este ano, atraiu 800 pessoas

O 8º Fórum do CME-Acif (Conselho da Mulher Empreendedora da Associação do Comércio e Indústria de Franca) atingiu as expectativas iniciais e reuniu 800 empresárias no evento que, este ano, promoveu palestras e painéis de discussão sobre o tema “Empreender com Equilíbrio”. A abertura contou com as empresárias Silvia Bittar, presidente do Conselho Deliberativo da ACIF, e Christina Buraneli, coordenadora geral do CME-ACIF. “Estamos reunidas, aqui, em busca de conhecimento, a fim de que nossas empresas se desenvolvam e gerem empregos”, afirmou Silvia. “Fico emocionada com a presença de todas vocês. É com alegria que recebemos participantes que vieram de longe para nos prestigiar: São Carlos, Santo André, São Paulo, Araxá e João Pessoa. Muito obrigada!”, agradeceu Christina.

A palestrante Rosana Hermann subiu ao palco por volta das 10h30 para falar sobre o uso excessivo da tecnologia na rotina das pessoas, assunto abordado em seu livro “Celular, Doce Lar”. “Vivemos em um mundo muito veloz em razão desta tecnologia incrível e maravilhosa, mas não conseguimos operar na mesma velocidade, pois somos humanos. Temos que utilizar esta velocidade ao nosso favor, mas sem querer agir nesta mesma velocidade.”

Apresentando suas histórias como cases de sucesso, se apresentaram a atleta Maria Zeferina Baldaia e o fundador da Mormaii, Marco Aurélio Raymundo, o Morongo. Zeferina contou sobre sua trajetória de luta, que a levou da lavoura ao pódio de ouro na Corrida de São Silvestre. “Corri, por 15 anos, descalça, por não ter um tênis, e não desisti”, contou. Já Morongo revelou os motivos que o levaram a deixar a carreira de médico para empreender no universo esportivo de roupas e assessórios. “Como empresário, fui mais médico para a população. Através da riqueza gerada pelas atividades da empresa, a região se desenvolveu e não há mais mendigos pelas ruas”, conta sobre a vila onde a Mormaii nasceu: Garopaba (SC).

O evento contou ainda com as participações das coachs Cynthia Millhim e Luiza Silva, da médica psiquiatra Talita Andrade e da instrutora de mindfulness  Evelyn Ignácio. A atriz Aparecida Silva Mendes também esteve presente e levou humor ao público com suas famosas “Histórias de Concessa”.

Homenagens

A madrinha do Fórum CME-Acif, a presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, esteve à frente de um painel de homenagens, que prestigiou as trajetórias da colunista Patrícia Pizzo e das empresárias Gilda Jacintho (Gilda Moda Íntima) e Maria Marta de Freitas (Flormel). Por motivos de saúde, Gilda foi representada por  Lila Crespo. O momento rendeu lágrimas das participantes e também serviu para que Luiza Helena chamasse a atenção para um assunto relevante: o lugar da emoção nos negócios.

“Antigamente, falar em coração e intuição nas empresas era palavrão. Quando eu dizia, lá no começo, que eu estava intuindo alguma coisa, gerava um estranhamento. As pessoas não tinham tanta importância, pois o investidor só queria saber do lucro, do balanço. O balanço e o lucro são importantes, acontece que, após a quebra dos bancos e das crises no mundo, percebeu-se que a sustentabilidade está no propósito da empresa, no coração da empresa”, afirmou. “Essa concepção não é ‘mimimi’, vale dinheiro. A empresa tem que ter, acima de tudo, propósito. As empresas são orgânicas”.

Para as participantes, as discussões suscitaram reflexões importantes. “É a minha primeira vez no Fórum e estou gostando muito. As pessoas são receptivas e o tema é muito atual. Temos, agora, que partir para uma mudança de hábitos para que possamos usar a tecnologia ao nosso favor sem que nos tornemos reféns dela”, disse a Adriana Silva Andrade.

Fotos: Wilker Maia/Acif

Sobre o autor

Posts Relacionados

Deixe um comentário

*