Jejum intermitente: comer com hora marcada pode queimar gordura

Nutróloga Dra. Esthela Oliveira explica os benefícios da técnica que intercala horas de jejum e de alimentação

Por muito tempo, comer a cada três horas era a principal regra para uma alimentação adequada. Nos últimos anos, porém, contrariando essa ideia, nutrólogos e pesquisas de todo o mundo apontam para os benefícios de uma técnica exatamente oposta: o jejum intermitente. “É uma estratégia alimentar que visa intercalar períodos de jejum com períodos de alimentação e que tem como objetivo fazer que o corpo utilize seus estoques de gordura”, explica a nutróloga Dra. Esthela Oliveira .

O método já ganhou adeptos e é usado, principalmente, por quem deseja emagrecer. Segundo a especialista, quem está com sobrepeso ou obesidade notará um resultado mais eficaz por possuir um estoque de gordura corporal maior. “Nesses períodos sem ingerir alimentos, o organismo consome as calorias que já estão reservadas no corpo para produzir energia”, comenta. Os resultados já podem ser notados a partir da segunda semana, dependendo da estratégia adotada, que pode variar de 12 a 24 horas de jejum, incluindo as horas de sono, diariamente ou em dias alternados.

Essa queima de gordura não está associada apenas à redução do consumo calórico, mas também a alterações nos hormônios provocadas pelo processo. De acordo com Esthela Oliveira, ao permanecer por muitas horas sem comer, os níveis de insulina e glicemia no sangue são reduzidos, o que facilita o uso da gordura acumulada pelo corpo. Por esse motivo, para quem não segue esse método, mas está em fase de emagrecimento, é importante ingerir alimentos com baixo índice glicêmico, principalmente no café da manhã, com frutas como abacate e morango e cereais.

Apesar de consumir a gordura corporal, o jejum intermitente não elimina a necessidade de uma alimentação adequada e balanceada. “É muito importante quebrar esse período com alimentos ricos em vitaminas e minerais, pouco gordurosos e com pouco açúcar, para que o organismo continue utilizando os estoques de gordura já existentes, sem ficar sobrecarregado”, explica a nutróloga. Além disso, no período sem alimentação, é preciso manter-se hidratado. “Água com e sem gás, chá e café sem adoçante ou açúcar são permitidos durante todo o tempo”, completa.

Mesmo com benefícios comprovados, a médica destaca que cada organismo pode apresentar uma resposta diferente, dependendo da interferência de outros fatores. “A melhor estratégia é totalmente individualizada e deve ser pensada junto a um profissional da saúde. Não existe um programa alimentar geral para todos. Para diabéticos, por exemplo, não costumamos indicar o jejum intermitente, pois afeta os níveis de glicemia do corpo. Para crianças também não é recomendado, pois elas têm uma necessidade calórica muito alta por estarem em fase de crescimento. No caso delas, o melhor é a reeducação alimentar”, completa.

Sobre Esthela Oliveira – Dra Esthela Oliveira, médica do esporte, pós-graduada em nutrologia e medicina integrativa. Há cinco dirige seu próprio espaço nos Jardins, em São Paulo, a Clínica Conde. Reinaugurado em 2018, o novo ambiente foi projetado para proporcionar aos pacientes momentos de tranquilidade, paz e conexão entre corpo, mente, alma e natureza em meio a cidade.

Foto/Imagem: anamenko via Getty Images

Sobre o autor

Posts Relacionados

Deixe um comentário

*